Em São Tomé e Príncipe podem ser encontradas cinco espécies de tartarugas marinhas, a tartaruga de couro, a verde, a de pente, a oliva e a cabeçuda. Destas, a cabeçuda é a única que utiliza o arquipélago apenas como habitat oceânico.

Vários programas de conservação foram surgindo ao longo dos anos, no entanto, nenhum obteve sucesso na conservação das tartarugas marinhas.

Actualmente existe a ONG local MARAPA que desenvolve a proteção de fêmeas e ovos em algumas das praias de São Tomé e Príncipe e foi ainda recentemente criada a Comissão Tartaruga Marinha (CTM), com o objectivo principal de promover a proteção das tartarugas marinhas e o seu uso sustentável dentro da região da Ilha do Príncipe.

A procura de tartarugas marinhas para consumo e comércio ainda ocorre, tornando-se assim necessário a mudança de hábitos e comportamentos através da integração social e educação ambiental.